sexta-feira, novembro 30, 2007

Despedida e agradecimentos

Caros,

Não me passou nunca pela cabeça pensar que iria um dia escrever o texto que irei reproduzir a seguir. A verdade é que mais do que nunca, chego à conclusão que estou incapacitado para fazer mais, fui vencido pela medianização para a qual caminha o meu clube. Não me sinto capaz de lutar mais contra a verdadeira "pandilha" que gere o clube pelo qual eu sofro desde criança. Quer queiramos quer não, este não é o Sporting pelo qual eu aprendi a lutar.

Cheguei a um ponto em que um simples golo do Sporting não é mais do que um acontecimento que me deixa satisfeito, quando à priori eu chegava a fazer com que os meus vizinhos me viessem à porta do apartamento bater por causa do imenso barulho. Quando não existe exigência, quando se colocam interesses pessoais em prol dos do clube, quando existem pessoas que se servem do Sporting e que não servem o Sporting com o profissionalismo que se impõe e quando percebemos que o caminho do clube, atinge proporções inacreditáveis e que não temos capacidade para "vencer esta batalha", porque o clube está vendido à medianização, então resta-me meter a viola ao saco e ir à minha vida.

Chamem-me cobarde, chamem-me o que quiserem. Só eu realmente sei o que neste longo tempo de escrita aqui, este clube me fez sofrer e vibrar também. Muitas noites sem dormir, chegar ao trabalho empolgado depois de uma enorme vitória no dia anterior, chegar ao ponto de nem falar de outra coisa, enfim, sentimentos pessoais por uma causa que cada vez menos me dá algo em troca. Mas o pior nem é isso, é sentir-me impotente para vencer este caminho para o qual o nosso clube caminha e como bom amante do jogo que sou, na hora da derrota, só tenho que arrumar as minhas coisas e seguir caminho. Não me revejo neste clube e sobretudo na maneira como o mesmo se gere, sofro demasiado com o clube, sinto-me derrotado por quem lidera o Sporting. Continuarei a não sair com os meus amigos sempre que o meu clube jogar, continuarei a segui-lo sempre que puder pelos estádios fora, continuarei a cantar e a apoiar a equipa, chamem-me incoerente se quiserem. Eu sei o que realmente sinto por este clube. O meu amor é o mesmo de sempre, o entusiasmo é praticamente nulo.

Queria agradecer, a todos sem excepção, os espectaculares momentos vividos neste espaço, agradecer a quem nunca deixou de visitar e comentar este humilde e pequeno espaço sportinguista, agradecer a todos os meus amigos mesmo de outros clubes que nunca deixaram de cá passar e agradecer ao Sporting porque durante dois anos, adorei falar e discutir sobre o clube durante este espaço. A minha missão termina assim. Este espaço não será apagado, continuará sempre vivo até que a eternidade o apague. Quem sabe, a imagem do clube com que sempre sonhei desde criança, um dia seja realidade, quem sabe.

A todos, as maiores felicidades a nível pessoal e profissional, eu procurarei continuar o mesmo. Nunca deixem de vibrar e chorar pelo clube que vos faz sofrer, mas sentindo sempre na consciência que o choro e a vibração têm razão de ser. Um abraço forte e obrigado.

sexta-feira, novembro 23, 2007

Amanhã em Matosinhos...


... lá estarei novamente no apoio à equipa. Camisola oficial vestida, garganta preparada e braços preparados. Chamem-me doente, maluquinho, digam-me que não são eles que me dão nada, mas porra... é o meu Sporting e acabamos de apanhar três secos e nem isso me move. Direi presente, estou vacinado contra tudo. Vamos a eles.

Nota: De salutar as entradas na convocatória de Luis Paez (avançado paraguaio dos júniores em quem se depositam enormes esperanças), de Adrien Silva que já merece uma oportunidade à bastante tempo e das permanências de Celsinho e Rui Patrício. A aposta na juventude e na formação em contraponto com a dúvida, deveria ser quase sempre um facto.

sexta-feira, novembro 16, 2007

Os reforços - opinião


Vladimir Stojkovic: Contratado para suprir a vaga deixada em aberto pela inesperada saída de Ricardo, Stojkovic tem estado no melhor e no pior. A sua actual passagem pelo Sporting está marcada pelo lance no Dragão e Stojka sentiu isso passando por momentos complicados, mas demonstrando em algumas ocasiões, que pode ser um guarda redes de topo. É um jovem, com ar de bom rapaz, tem muito a evoluir e esperemos que o consiga. A rever;


Gladstone: Sou sincero, pensava que chegaria cá e faria dupla com Anderson Polga. Erro meu. Glads quando foi chamado não comprometeu, mas Paulo Bento não demonstrou ter muita confiança no brasileiro quando em Roma preferiu recuar Miguel Veloso em vez de optar pelo brasileiro na substituição de Anderson Polga. Já se fala na sua possível saída em Janeiro. A rever;

Pedro Silva: Quando tudo indicava que seria uma opção regular de Paulo Bento, lesiona-se gravemente deixando a equipa orfã daquele que eu entendo ser um bom lateral. Actuou no amigável contra o Benfica e foi dos melhores. Certinho, pode ser peça importante quando regressar. A rever;

Marian Had: Tem jogado pouco fruto de lesões e opções do técnico. Parece-me mais seguro a defender e menos lesto a atacar. Para um lateral certinho, provavelmente servirá, mas ainda não tenho uma opinião bem formada sobre o eslovaco;

Marat Izmailov: Até ao momento e intermitentemente, é o reforço que mais se tem destacado. O Sporting já revelou a ideia de fazer tudo para adquirir a título definitivo o russo e a meu ver deve-o fazer. Izmailov é um jogador bastante competitivo, lutador, com excelente técnica, e com enorme capacidade para aparecer quando menos damos por ele. Acredito que tenha capacidade para mais, mas acho que renderia melhor noutro sistema;

Celsinho: É uma promessa para o futuro. A sua utilização é praticamente nula, mas do que eu vi, é um jogador com boa capacidade técnica, que trata bem a bola e que pode nos ser bastante útil no futuro como vaticinou Paulo Bento aquando da sua chegada. Não o idolatro nem o rebaixo, mas acho que neste apostou-se bem;

Simon Vukcevic: Outro jogador que me tem agradado de sobremaneira. Fantástica garra, atitude, um pé esquerdo de respeito, uma qualidade técnica sobejamente reconhecida, mas ainda uma irregularidade exibicional a rever. Pessoalmente, sou da opinião que renderia melhor numa posição mais central, mas como interior esquerdo, tem deixado bons apontamentos e concerteza acredito, que nos dará muitas alegrias futuramente;

Derlei: Estava a caminho de uma boa forma quando subitamente se lesionou gravemente. Prometia com Liedson uma dupla de impôr respeito e isso foi visível sobretudo na primeira partida da Liga onde ambos marcaram. Ninja é um avançado de luta, de ambição e de golos. Não saberemos como regressa mas Derlei é capaz de surpreender muita gente, inclusive eu;

Milan Purovic: A contratação mais polémica. "Puro" tem características especiais, características essas pedidas por Paulo Bento para quando fosse necessário utilizar um tipo de jogo mais directo. Acredito na sua utilidade, mas seguramente que este esquema táctico não é o mais adequado para as suas capacidades, que também ainda não fez questão de demonstrar. Tem dois golos, uma assistência e ainda muito que correr para convencer a difícil plateia de Alvalade. Acredito que com tempo e noutras condições, Purovic pode justificar a sua contratação.

terça-feira, novembro 13, 2007

Humilhação em Braga


A imagem pode muito bem ser pouco perceptível (foi tirada com o meu telemóvel) mas era a única imagem com relativo significado sobre aquela noite, que poderia e deveria estar aqui.

Para o leitor, provavelmente fui mais um triste que fui assistir a um jogo de futebol em que o meu clube participava. Tudo bem, é uma interpretação entre as muitas que devem existir e tirando a parte do triste, até que se encaixa bem.

Entrei com 20 minutos decorridos devido a alguma falta de organização das forças policiais que acompanham as claques neste tipo de partidas e também sendo um pouco contra-senso e segundo o que ouvi, por motivos de segurança. Ainda na camioneta do grupo e posteriormente cá fora enquanto esperava o rectângulo mágico, recebia sms dizendo que o Braga estava a carregar.

O pior foi depois. Entrei, coloquei-me no meu local junto com o meu grupo, abanava bandeiras, respondia a provocações, cantava no apoio ao meu clube. Até aqui tudo bem. Até que me dignifiquei a olhar um pouco para o que se passava dentro do campo e aí foi a hecatombe total.

Mas que era aquilo? Onze miseráveis jogadores, idolotrados em demasia (mea culpa no meu caso), que ganham chorudos ordenados, serem dominados e humilhados por uma equipa do Braga também em transformação e com um treinador vindo dos júniores (quaisquer semelhanças com o meu clube, são pura coincidência).

Do jogo do Sporting não se aproveitou nada, a atitude e profissionalismo foram nulos e quando assim é, a pequenez existencial do Sporting vem à tona. As desculpas de um plantel fraco, ou de ovos e omeletes são contas de um rosário que não existiu em Braga: quando não existe vontade, ambição, querer ganhar, a humilhação é meio caminho andado para a realidade.

Falando bom português e que me desculpe quem for susceptível a isto, somos uma equipa de MERDA, onde a feira de vaidades e o protagonismo imperam, onde se olham a interesses pessoais em vez dos interesses da equipa e quando assim é, este clube, com esta equipa não tem futuro algum.

Paulo Bento teve os seus erros, mas é mais vítima que culpado neste momento. Defendeu Freitas quando este passou por aquele irónico período de reflexão, onde apareceu Freitas agora a defender o seu treinador? Pois...

Neste clube, as derrotas são aceites com naturalidade, o discurso da melhoria é feito na teoria, pois na prática, as palmadinhas nas costas são a receita depois de uma derrota. Isto vai melhorar, pensam eles. Pensam eles...

Exigência? Zero. Organização? Acredito que haja alguma mas não suficiente. Inconformismo? Zero.

Foi esta a prenda dada por este bando de badamecos, à Torcida Verde no dia em que completou 23 anos de luta e onde durante toda a partida, foi incansável no apoio à equipa mesmo quando o resultado ultrapassava uma normal derrota para alguns, uma copiosa goleada e humilhação para outros.

Até olés se ouviram. Cantando, rindo e assobiando para o ar. Vou em principío a Matosinhos daqui a duas semanas, nada crente nestes badamecos, mas em respeito ao símbolo pelo qual sofro.

sexta-feira, novembro 09, 2007

O coitadinho


Fui um dos que estava à espera de uma entrevista politicamente correcta de Carlos Freitas ontem à noite através da SICNotícias. Assim se confirmou.

Freitas acima de tudo conseguiu passar a ideia de que o seu cargo é complicado (e provavelmente será), assumiu erros cometidos, e sobretudo tentou sempre responder com um discurso mais enfeitado do que resolúvel.

Carlos Freitas estava perfeitamente à vontade naquela entrevista. Sabia que nunca lhe iriam colocar questões que colocassem a sua integridade moral em perigo e nisto critíco quem sobretudo preparou esta entrevista, primeiro pela curta meia hora de emissão e depois pela pouca exigência no questionário. Aquele sorriso malandro, com alto teor de mafioso por cada afirmação que pronunciava, era o sinal evidente de que Freitas estava como queria.

Quis brincar um pouco ao Sportinguismo e nessa brincadeira destaco a frase que mencionou dizendo que sofre tanto pelas derrotas do Sporting como aquele que mais sofre. Pois. No fundo, tentou passar a imagem de um bom samaritano, quis fazer passar a imagem de que tenta sempre zelar pelas melhores condições para o Sporting, de um coitadinho que também erra e sobretudo, tentou que a sua imagem saísse mais limpa desta entrevista (a avaliar pelo grau de exigência da mesma, não era complicado).

Acredito que a muitos conseguiu satisfazer com esse intuito. A mim não, peço desculpa. No entanto, foi bom estas coisas começarem a acontecer. Freitas percebe finalmente que alguns sócios começam a abrir os olhos e claro, o coitadinho não ficará impune. Veremos como se vão desenrolar as coisas, apostando aqui que dificilmente virá alguém em Dezembro, o que se calhar perante o que tem aparecido nos últimos anos, é o melhor.

Acho ainda imensa piada em apenas dois dias, Carlos Freitas, defensor da discrição e do pouco protagonismo, ter dado uma entrevista à Sic Notícias, ter dado uma grande entrevista ao Jornal Record e ainda, para cúmulo, vai responder a perguntas colocadas pelos sócios/adeptos do Sporting. Ah grande gestor de activos! Porquê esta necessidade de aparecer? Tenho conhecimento de algumas questões, às quais Carlos Freitas podia começar a ficar envergonhado, mas depois apercebo-me que as questões serão previamente seleccionadas e dificilmente a equipa do senhor Garção, deixará ficar mal o senhor Carlos. Nós podemos não estar por dentro de tudo, mas burros é aquilo que não somos...

Já agora, aceita-se uma boa legenda para a foto.

Sporting 2 - As Roma 2

Pouco há a dizer daquilo que já foi dito noutros espaços e sobretudo por aquilo que foi visto, que foi sublimemente cruel, tal como manda a lei no futebol italiano. Um dos melhores jogadores do Sporting nas últimas épocas, tinha tido o azar do seu lado quando a intenção era a melhor. Azar? Também, muito. Mas isso é algo que faz parte do dicionário do Sportinguista: azar e sobretudo sofrimento.

E acreditem, estou tão habituado a estes desfechos que na altura a minha reacção foi... sorrir. Acreditem, sorri, mas estaria a mentir senão dissesse que fiquei desiludido, chateado e com vontade de mandar pontapés em tudo o que aparecesse. Mas é nestas alturas que uma pessoa olha à idade e depois pensa: o que ganho eu com isto?

Quem olhava para a partida até ao fatídico minuto 89 diria que o Sporting tinha a partida controlada, sobretudo quase ganha. Nem eu pensava sequer que a vitória nos iria fugir. Acabou por acontecer. Paciência, o futebol é isto, dizem eles.

Não tenho legitimidade para criticar ninguém, nem acho que o faria, sobretudo depois de uma demonstração de garra, querer e sobretudo de querer ter os adeptos do seu lado que esta equipa e este treinador deram. Para todos eles, o meu bravo aplauso.

Não há sequer mais nada a dizer depois disto, apenas referir que não há ninguém no mundo como Liedson (enorme jogador), que Anderson Polga apesar do azar continua o chefe lá atrás, que Izmailov fez um jogão, que Veloso esteve igual a si próprio e que Paulo Bento fez o que lhe competia para tentar alcançar a vitória.

É mais uma vitória moral para os nossos lados, a juntar às inúmeras que temos no nosso historial. De tão habitual que se começa a tornar, parece que é isso que me dá cada vez mais força em ser do clube que orgulhosamente, sou.

Ah e vou a Braga apoiar a equipa. Só eu realmente sei...

segunda-feira, novembro 05, 2007

Sporting 4 vs Naval 1


- Resultado enganador em Alvalade. Os números não expressam na totalidade o que se passou em campo, embora a justiça da vitória do Sporting não esteja em questão;

- Se são 99, 98 ou 100 isso pouco deve importar. Liedson resolve mesmo, tem uma atitude profissional fantástica durante os 90 minutos e ainda coroa a sua exibição com um golaço de levantar (da cadeira, do sofá, de onde quiserem) e aplaudir. Ontem foi ele e mais 10;

- Palavra positiva para o estado do relvado. Portou-se muito bem durante os 90 minutos e a continuar assim, temos condições para finalmente (embora permaneça sempre a dúvida) termos um relvado condizente com o estatuto de clube que apresentamos;

- Liedson não deu, João Moutinho parece não dar também. Desafio a Paulo Bento para encontrar um especialista na marca das grandes penalidades. Eu tinha cá um escolhido e não era nenhum daqueles que vocês possam estar a pensar;

- Os profissionais do apito tendem a permanecer em Alvalade. Inconcebível ainda com o jogo no seu início, começar-se a assobiar Purovic. Que não gostem dele, tudo bem, aceito. Mas defende a nossa camisola, logo apoiem-no sendo ele cepo ou não;

- Liedson, Romagnoli e Abel cotaram-se como os melhores, os outros assim assim mas a maioria teve francamente abaixo daquilo que podem e devem fazer;

- Entrando no sistema táctico, quando é que Paulo Bento percebe de uma vez por todas que a equipa não tira o maior rendimento de si, actuando em losango? Não foi notória a diferença quando a equipa começou e bem (mérito ao mister) a actuar em 4-5-1? Porquê a insistência no irritante (desculpem mas não arranjo outro nome) Ronny na marcação de pontapés livres que dão em... zero?

- Grande abraço para Delfim. Um dos campeões pelo Sporting merece todo o respeito do universo leonino e os aplausos que se lhe concedem. Será sempre um dos nossos.

domingo, novembro 04, 2007

Teorias da Conspiração



Depois do verdadeiro circo que foram as arbitragens dos nossos mais directos rivais, expectativa para ver o que acontece hoje em Alvalade...